quinta-feira, outubro 27, 2016

poderei

ando ainda naquela terra
percebo as formigas quando
tarde demais, as picadas

Ainda o destruidor
daqueles seres, sempre
o cheiro a grama desce a água
as gotas no braço

Posso então voltar
agora o simulacro
a chuva depois deste
último mês, as roupas

Sei que não posso
não poderei
Só há o desejo
de copiar
o intruso a palavra

só o que não poderei
mas as folhas minúsculas verdes
meus olhos o intruso
chegando em boa hora
que senta à mesa
e toma o café.